Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal

Mapa geral dos limites da capitania de Goiás


 

Apresentação/Leitura paleográfica

 

 

 

 

O “Mapa Geral dos Limites da Capitania de Goiás” foi elaborado em 1751 pelo geógrafo, cartógrafo e engenheiro militar, Francisco Tosi Colombina, por solicitação do Dom Marcos de Noronha, primeiro Governador da Província de Goiás (1749-1754). Com a separação da região de Goiás da Província de São Paulo, era necessário estabelecer as fronteiras da nova Província. Em texto escrito no corpo do próprio mapa, Tosi Colombina ressalta que para elaborá-lo levou em conta sua experiência e informações de terceiros: “examinei pessoalmente e tomei as informações que me parecem mais verossímeis”, “olhando os pontos da Longitude e da Latitude dos roteiros e dos geógrafos mais modernos com a diligência que pode usar um viajante de passagem” e seguindo “a informação dos melhores pilotos que por lá andam”.

 

O mapa apresenta dois longos textos, não muitos comuns pela extensão, mas compreensível para a finalidade a que se propunha. Certamente, tanto zelo descritivo estava também associado ao interesse de Tosi Colombina de receber os direitos para construir uma estrada carroçável de São Paulo a Cuiabá, passando pela Capital “Goiaz”, tarefa para a qual pediu várias vantagens. Pelos serviços, lhe seria concedido licença para explorar por dez anos este caminho, além de receber de três em três léguas uma sesmaria para a instalação de pontos de apoio aos viajantes. A solicitação foi atendida. Contudo, o privilégio caducou porque, segundo Alencastre, em sua clássica obra, “Anais da Província de Goiás”, Tosi Colombina não conseguiu levantar o capital necessário para a organização da companhia que seria encarregada dos trabalhos.

 

Ao pé do mapa, o cartógrafo apresenta detalhada instrução de como o mapa deve ser lido: a rota para a Província de Goiás é apresentada como um caminho que vai da Vila de Santos – Província de São Paulo até o Centro-Oeste. No trajeto assinala as rotas terrestres e pelos rios, individuando Vilas, Povoações, Roças, Sítios e Serras. Em alguns momentos, indica o número de dias aproximado de caminhada entre dois pontos da rota.

 

Durante muito tempo, o mapa de Tosi Colombina foi considerado pela cartografia histórica o primeiro mapa de Goiás. Novas pesquisas empreendidas a partir da descoberta de um Relatório de 1775, do primeiro Secretário da Capitania de Goiás, documento do acervo do Arquivo Histórico Ultramarino, e publicadas em artigo conjunto pelos pesquisadores Wilson Vieira Júnior, Andrey Rosenthal Schlee e Lenora de Castro Barbo, no XXIV Congresso Brasileiro de Cartografia – Aracaju/SE – Brasil, em 2010,1 permitem afirmar que o mapa de Tosi Colombina foi elaborado de uma cópia feita a partir do primeiro mapa de Goiás (Cf. neste GUIA p. 42 e 48), cedida pelo Secretário Ângelo dos Santos Cardoso. Em seu Relatório, Ângelo dos Santos Cardoso revela que fez uma cópia de seu mapa e entregou-a ao “Italiano, por nome Francisco Tosi Colombina” a fim de ajudá-lo em uma viagem àqueles Sertões que iria realizar com o Ouvidor de Goiás, Agostinho Luiz Ribeiro Vieira. Um tempo depois dessas viagens, Tosi Colombina, que era segundo Ângelo dos Santos Cardoso, “enfarinhado em Geografia”, ou seja, tinha formação nesse campo do conhecimento, elaborou a partir daquele, o mapa que aqui apresentamos.

 

Para maiores informações sobre o contexto político, econômico e social da elaboração deste mapa, o segundo de “Goyaz”, consultar o artigo “Primeiros Mapas da Capitania de Goiás”, do historiador Wilson Vieira Júnior. (Cf. neste GUIA p. 32)

 

Leitura paleográfica:

 

Ill.mo e Ex.mo Snr. Conde dos Arcos

Dom Marcos de Noronha

Do Conselho do S. Mag. Governador e Capitan General de Goyaz

Quando de Ytú onde foy Juiz de Fora acompanhei ao D.or Agostinho Luis Ribeiro Vieira q. vinha por Ouvidor a estas Minas, fiz hum Mappa da dicta derota, o qual vendo V. E. ficou do seu agrado, naõ porq. o conhecesse com aquella perfeisão q. requer hua tal obra, mas porq na incerditão do interior destes sertoens, podesse ao menos ter hua tal qual idea mais apparente com a verdade a qual podia ter sido aproximado mais o P. Diogo Soares da Companhia, matemático expedido expressamente da Corte p.a isso; porém este não tinha passado do districto de Tucantins e o pouco ou muito q. tinha alcançado não o tinha communicado nestas partes de tal sorte, q. outro Governador q. predeceu a V. E. por ocazião do contracto dos diamantes de Pilloens, ao chegar desta Vila, se suppunha estar na parallela da Bahia de todos os Santos, quando há mais de tres graos de differença em Latitud; e assim, V.E. tendo também visto vários meus borroens e apontamentos feitos por informações de varias partes do interior desta America (q. servirão a outrem p.a se adiantar), me ordenou lhe fizesse hum mappa geral por onde se podessem conhecer os limites dessa Capitania; p.a isso pedi tempo p.a melhor servir a V. E. e acompanhando novamente o dicto D.or Ouvidor na coreição da Comarca examinei-a pessoalmente e tomei as informaçõens q. me pareceram o mais verosimeis e assim presentemente sirvo a V. E. com o presente Mappa q. como disse, poderá servir de idea e os curiosos conhecendo os meos erros, apontarão a verdade e eu terei a gloria de ter sido o estimulo p.a q. apareça. Este mappa hé feito deste modo: Da Villa de Santos guardando os pontos de Longitu. e de Latitud dos Roteiros e dos geographos mais modernos com a diligencia q. pode usar hum viandante de passagem; fiz a derota até esta Villa Boa, a qual continuei depois até a Natividade e recolhime outra vez a esta Villa; a derota das canoas de Araraytaguaba até o Cuyabá e depois ao Matto Grosso tanto por Rios como por terra com a ocazião da minha demora de onze meses naquellas partes do embarque, segui a informação dos melhores Pilotos q. por lá andão, por isso não me se deve culpar o erro, como não me gloriaria do acerto se o tivesse alcançado o q. se deve suppor naquela pessoa dotada de tantas virtudes moraes q. excedem a sua mesma [sabedoria?] e ao ilustre da sua prosapia, q. não sabe [obrar?] se não acertos a q. se suppoem ter feito felizmente tal viagem. A derota q. com canoas fez João de Souza do Azevedo do Cuyabá até o Gran Pará, voltando pelo Rio Madeira ao Matto Grosso, foi por informaçoens q. de lá me mandou o D.or José Martins Machado; A derota q. vai de Villa Boa até o Cuyabá foi feita pelo Capitam Mor Diogo José Pereira, como também a informação da nova derota p.a o Gran Pará com canoas do Cuyabá subindo o mesmo Rio e buscando outra vertentes no Rio Preto até dar na primeira derota de João de Souza de Azevedo; o curso do Rio das Amazonas até o Gran Pará hé copia da navegação de Mon.er de La Condamine ao qual se deve todo o credito; A derota do pontal da Natividade pelo Rio Tucantins e canaes chamados guarupés até o Gran Pará, hé informação do Capitam Francisco de Almeida descubridor das minas das Arayas, q. fez tal viagem; o mais hé por outras informaçõens e o mais interior não se sabe ainda, senaõ muito confusamente; mas o q. pertence a esta Capitania, brevemente darei a V.E. hua mappa em ponto mayor e com mayor individuação o q. farei também se, como supponho, me vier a ordem p.a a abertura do novo caminho desta Villa Boa a cidade de S. Paulo e Vila de Santos, e nisto e naqueles se me devem perdoar os erros, porq. não são partos da minha presunção, mas sim [abortos?] da minha obediencia sumitiva a V.E q. Deos guarde muytos annos.

Villa Boa de Goyas 6 de Abril de 1751

De V.Ex.a

O mais humilde Venerador e Criado

Francisco Tosi Colombina [assinatura]

EXPLICAÇÃO

[desenho] Cidade – [desenho] Villa – [desenho] Fortaleza – [desenho] Arayal com Freguesia – [desenho] – Arayal sem Freguesia – [desenho] Sitio: os pontinhos vermelhos denotão a derota de Santos, S. Paulo a Ytú até Villa Boa de Goyáz e desta até a Natividade: os pontinhos amarelos demarcão a volta da Natividade até Villa Boa; os pontinhos pretos de Villa Boa até o Cuyabá demarcão a communicação destas duas Vilas e essa continua a mostrar-se até o Matto Grosso quando se vai por terra porque quando se vai em canoa se desce o Rio Cuyabá, o Rio dos Porrudos e se sobe o Rio Paraguay e Jaurú até onde atravessa o caminho de terra q. se segue deixando as canoas; os pontinhos pretos desde Araraytaguaba até o Cuyabá pelos Rios Tiathê, Rio Grande, Rio Pardo, Camapoão, Cuchim, Taguary, Paraguay, Cheénê, Porrudos e Cuyabá demarcão os caminhos das canoas que servem de communicação com a costa do mar de Santos e Rio de Janeiro e o Povoado de S. Paulo; os mais pontinhos pretos denotão a communicação de hum lugar p.a outro; os pontinhos vermelhos da Villa do Cuyabá q. descem pela margem do mesmo Rio e dos Porrudos sobem o Paraguay e Sapituba, denotão o caminho q. fez João de Souza de Azevedo, quando varou por terra até o Rio Sumidoro pelo qual descendo, e pelos Rios Tapajós e Amazonas foy ao Gran Pará donde voltando, subiu o dito Amazonas e Rio Madeira até o Matto Grosso; os pontinhos amarelos da Villa do Cuyabá q. sobem o mesmo rio pela margem e atravessam por terra até dar no Rio Preto, e no dos Arinos, denotão a viagem de canoas q. novamente se descobriu e q. faz communicavel dita Villa com o Gran Pará. Os pontinhos pretos no Rio Tucantins q. principião onde são dois sinaes de sitios q. começão as povoaçoens ou rossas do Gran Pará, denotão a viagem q. a gente de Natividade embarcandose em canoas no Pontal, chegão em onze dias até as ditas rossas e destas até os canaes ou como chamão guarupés, em dois dias e por eles três dias que tudo fazem dezeseis dias até o Gran Pará; porém a subida se reputa impossível acima do salto da Itaboca e a descida so se faz em tempo das cheas; mais fácil se suppõem a communicação desta Villa Boa com a Cidade do Gran Pará, embarcando-se dous dias de viagem abaixo perto do Arayal da Anta no Rio Vermelho q. entra no Rio Grande do caminho do Cuyabá q. com o nome de Araguaya entra no Rio Tucantins por o q. já o Cor.l Antonio Pires de Campos com os seos índios Borroros indo em busca do Gentio bravo Corumaré, nevegou facilmente até a ponta do norte da dita Ilha [sendose?] embarcado no dito Rio Grande onde está a passagem deste rio no caminho q. vai de Villa Boa p.a o Cuyabá. Alguns dos primeiros descubridores de Goyaz achandose perdidos se embarcarão no Rio Uruú seis léguas a Leste da Villa Boa e descendo por este e pelos Rios das Almas, Maranhão e Tucantins, forão ao Gran Pará. A sombra amarela demarca a Capitania de Goyaz. Nos caminhos q. vem de S. Paulo a esta Villa e desta vão a Natividade e voltão, não se encontrão mattos de consideração mais q. o do Mogy na Comarca de S. Paulo e o matto grosso de Meya Ponte nesta Capitania, q. vão demarcados com arvoredos; os mais a q. chamão capoens por serem pequenos não se apontão: As serras q. se encontrão estão demarcadas; os sítios do caminho de S. Paulo a esta Villa não estão demarcados; só se apontão os q. se achão em grande distancia do abitado; mas o mappa particular desta Capitania em ponto mayor se fará também com mayor individuação.

 

  1. Sanctos
  2. S. Vicente
  3. Fortaleza da Barra de Santos
  4. Forte da Bertioga
  5. Conceiçaõ
  6. Yguapy
  7. Cananea
  8. S. Paulo
  9. Parnahyba
  10. Ytú
  11. Araraytaguaba
  12. Sorocaba
  13. Jundiahy
  14. Mogy pequeno
  15. Mogy grande
  16. Missaõ dos S.P. da Companhia
  17. Arayal do Borrorós
  18. S. Cruz
  19. S. Luzia
  20. Meya Ponte
  21. Jaraguá
  22. Ouro Fino
  23. Ferreiro
  24. Cambayuba
  25. Villa Boa
  26. Barra
  27. Anta
  28. Pilloens
  29. Crixá
  30. Guarinos
  31. Pillar ou Papoam
  32. Morrinhos ou Amaro Leite
  33. Coriola
  34. Agoa Quente
  35. Trayras
  36. S. José
  37. Chapada de S. Gonçalo
  38. S. Rita
  39. Moquem
  40. S. Feliz ou Carlos Marinho
  41. Chapada de S. Feliz ou de Car.[los] Mar.[inho]
  42. Cavalgante
  43. Parannã ou Itiquira
  44. Arayas
  45. Barra da Palma
  46. Duro
  47. Natividade
  48. Pontal
  49. Descuberto do Carmo

Referências:

1 – VIEIRA JÚNIOR, Wilson; SCHLEE; Andrey Rosenthal; BARBO, Lenora de Castro. Tosi Colombina, autor do primeiro mapa da Capitania de Goiás? XXIV Congresso Brasileiro de Cartografia – Aracaju/SE – Brasil, 16 a 20 de maio de 2010.

2 – FONTANA, Riccardo. Francesco Tosi Colombina: o cartógrafo do Brasil Central. Brasília: Ed. do Autor, 2009.

3 – Tosi Colombina, autor do primeiro mapa da Capitania de Goiás? Disponível em: <http://www.altiplano.com.br/1010tosi.html>. Acesso em: 14 fev. 2011.

4 – BARBO, Lenora de Castro; SCHLEE; Andrey Rosenthal; A cartografia histórica e os caminhos de ocupação do atual Distrito Federal. In: Anais do III Simpósio Luso-Brasileiro de Cartografia Histórica. Ouro Preto/MG, 2009.

5 – ALENCASTRE, José Martins Pereira de. Anais da Província de Goiás. Brasília: Ed. Gráfica Ipiranga Ltda., 1979.

Fonte – Arquivo Histórico do Exército

Medidas – 53,5 cm × 77 cm

Data – 1751

Localização – CO-GO-13.01.2676

Arquivo Público do Distrito Federal - Governo do Distrito Federal

ArPDF

Setor de Garagens Oficiais SGO
Qd. 05 Lote 23 - CEP: 70.610-650 Brasília/DF - Tel.: (61) 3361-7739 arquivopublico@arquivopublico.df.gov.br